INCLUSÃO SOCIAL NO CONTEXTO EDUCACIONAL: Reflexões durante as atividades do PIBID e do Estágio Supervisionado

INCLUSÃO SOCIAL  NO CONTEXTO EDUCACIONAL: Reflexões durante as atividades do PIBID e do Estágio Supervisionado

 

Dijiane Regina Paula

Universidade do Estado do Mato Grosso – campus Universitário de Sinop – MT

bolsista do Programa de Iniciação a Docência (PIBID)

Dr.paula.92@gmail.com

 

Thielide Veronica da Silva Pavanelli Troian

Universidade do Estado do Mato Grosso – campus Universitário de Sinop – MT

thielide@unemat.br

Vera Lúcia Vieira de Camargo

Universidade do Estado do Mato Grosso – campus Universitário de Sinop – MT

vera@unemat-net.br

Resumo: Relatamos neste trabalho uma experiência vivenciada como bolsista de iniciação à docência junto ao subprojeto do Curso de Licenciatura Plena em Matemática do Campus de Sinop do Programa de Iniciação a Docência – PIBID e como esta influenciou-nos no desenvolvimento da disciplina de Estágio Curricular Supervisionado IV ambos ofertados pela Universidade do Estado de Mato Grosso. O objetivo desta publicação é mostrar de forma, sucinta, a partir de um caso vivenciado pela acadêmica bolsista com um aluno cego da escola, como ocorre  a inclusão social no cotidiano escolar em uma das escolas públicas da Rede Estadual de Ensino  localizada no município de Sinop – Mato Grosso. Ressaltamos que um dos objetivos do PIBID é oportunizar ao professor em formação experiências com diferentes metodologias e utilização de tecnologias no ensino, para que estes sejam capazes de enfrentar os desafios presentes no processo de ensino e aprendizagem em sua futura atuação docente. As atividades do projeto realizadas na escola possibilitou uma interação significativa com o contexto escolar que nos possibilitou acompanhar como é feita a inclusão social entre alunos especiais e os demais colegas de sala, bem como com os demais membros da instituição de ensino. Neste aspecto, as observações, o reconhecimento do ambiente escolar e o uso de tecnologias possibilita ao professor em formação um vasto conhecimento e prepara-o não apenas para a realização dos Estágios Curriculares Supervisionados que vivencia durante todo o curso de licenciatura, mas também para a sua futura atuação profissional. Como já mencionado a atividade desse relato, foi desenvolvida por uma bolsista de iniciação à docência do PIBID e estagiária do curso de Matemática, momentos em que foi favorecida a articulação entre as atividades obrigatórias do Estágio e as atividades desenvolvidas junto ao projeto.  Nesse contexto a observação obrigatória do estágio supervisionado oportunizou maior aproximação com um aluno cego pertencente a uma das salas de aula da escola. Dessa maneira, o foco desse relato são as percepções do cotidiano e a interação deste aluno com a escola e como é realizado o ensino em matemática para este aluno e a sua socialização entre os demais membros educacionais e quais os subsídios que a escola utiliza para promover a aprendizagem  deste  aluno. Contudo, nota-se que a inclusão social nas escolas ainda está distante do que preconiza as leis de diretrizes e bases da educação brasileira 9394/96, mas isto é um desafio que todos devem enfrentar. Nesta perspectiva ao professor em formação passar por estas experiências lhe permite que ao se deparar com determinada situação saiba agir coerentemente com os alunos que estiverem ensinando e se preparando para a sua futura atuação profissional.

Palavras – Chaves: Inclusão Social. PIBID. Matemática. Cotidiano Escolar .

Anúncios